João Paulo Guerra

empty alt

António Macedo

Na passagem do teu septuagésimo aniversário – vais ver que não custa nada, ele passa depressa – envio-te estas duas florzinhas que ficam de certeza muito bem em cima de qualquer psiché.

És o maior no teu ramo e és um enorme Amigo, do peito, daqueles que nunca esquecem e nunca se esquecem. Eu lembro-me das horas difíceis em que estiveste sempre presente.

Um abração – e não é pelos cotovelos, é peito com peito e braços com braços. E felicidades para toda a tua grande e muito afectuosa família, em particular a Luísa, a Rita, o Gonçalo, a Mané, a Leonor, a Joana, a querida sogra Otília, queridas cunhadas e cunhados, primas e primos, tias e tios, sobrinhas e sobrinhos e respectivos parceiras e parceiros.

João Paulo Guerra

4 Novembro 2020